Desafios Do Ensino Do Português Como Segunda Língua Para Surdos

Teste agora Assinatura sem compromisso. Cancele quando quiser.

Sinopse

Neste obra, a autora traz a reflexão sobre os desafios do ensino da Língua Portuguesa para alunos surdos, analisando suas diferentes facetas. Embora tenha sofrido algumas mudanças ao longo do tempo, até recentemente, predominava, na educação de surdos, no Brasil, a abordagem oralista, segundo a qual o ensino e a aprendizagem eram oferecidos apenas por meio da Língua Portuguesa na modalidade oral. Nessa tempo, tinha-se a concepção de língua como um conjunto de regras que os alunos deveriam aprender para entendê-la e usá-la bem. Diferentemente dos ouvintes, os alunos surdos chegam à escola com, no máximo, fragmentos da Língua Portuguesa, cabendo ao educador orientar o aprendizado dessa língua. As dificuldades de acesso à língua falada e a pouca familiaridade com a Língua Portuguesa resultaram em alunos que não entendiam o que liam apresentando dificuldades na escrita. A aprovação do Decreto Federal nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005 abriu caminho para a língua de sinais, estabelecendo a obrigatoriedade das escolas possibilitarem aos alunos surdos uma educação bilíngue, na qual a Língua Brasileira de Sinais fosse considerada a primeira língua e a Língua Portuguesa a segunda. Contudo, ainda hoje, faz-se necessário adotar mecanismos de sensibilização para que docentes de língua portuguesa observem os desafios do cotidiano de sala de aula e as dificuldades encontras no decorrer do processo de ensino, com a finalidade de apresentarem propostas eficazes para o ensino do aluno surdo, não jogando a responsabilidade somente aos profissionais da sala de Atendimento Educacional Especializado, mas tendo consciência que para ser ter um resultado positivo é necessário compromisso de todos. Afinal, não é a surdez a responsável pelo baixo desempenho desses educandos, mas a forma como a Língua Portuguesa tem sido ensinada nas escolas.